4.3.08

Chamem os Paramédicos

Queimadura, afogamento, crise de asma, choque anafilático, sangramento de nariz, fratura, hipotermia, angina, ataque do coração, epilepsia, diabetes, pressão alta... e o pulso ainda pulsa! Calma gente, não estou “compondo” a versão 2008 de O Pulso cantada na voz do eterno poeta Arnaldo Antunes não!

Todos estes assuntos e muito mais foram abordados no curso de dois dias - ministrado pelo EMS (Emergency Medical Services) de Toronto - que eu acabei de fazer para me tornar apta à prestar os primeiros socorros, além de fazer todo o procedimento de ressuscitação em bebês, crianças e adultos. Você tem criança em casa, trabalha com crianças ou nenhuma das anteriores? Recomendo este conhecimento mesmo assim.

Simulação de cenários de emergência, “bonecos” adultos para ressuscitar, “bonecos” bebês que acabaram de se afogar e estão ficando sem respiração para ressuscitar, curativos para fazer e ataduras foram apenas um dos muitos exercícios práticos deste EXCELENTE curso que eu fiz e recomendo à todos. O que, à princípio soa como algo banal, na realidade acaba sendo um ato de amor pois 80% dos casos em que você vai aplicar as técnicas de primeiros socorros será com familiares e amigos, 15% em colegas de trabalho e 5% em estranhos na rua. Sim, aqueles que você mais ama serão os maiores beneficiados do seu conhecimento.

Na realidade, eu sempre achei que este é o tipo de conhecimento que todos deveríamos ter. Claro que, em uma situação real, nem todos nós estaremos aptos a de fato agir na real velocidade e ao mesmo tempo com a frieza que a emergência exige. Entretanto, se todos tivessem ao menos o conhecimento vocês concordam que aumentaria o número de pessoas que sequer sabem que poderiam agir e acabariam, em momentos decisivos, se tornando a diferença entre a vida e a morte para outra pessoa?

Sempre achei isso e - ironia do destino – só estou hoje aqui contando tudo para vocês neste blog porque um anjo (né Vitor? Querido, este post é em sua homenagem. Acho que estarei velhinha gagá e ainda me lembrando de como você salvou a minha vida) estava na hora certa, no lugar certo, tomou o controle da situação e- mais importante – sabia o que fazer corretamente, enquanto eu seriamente me afogava com um "estúpido" pedacinho de carne do estrogonofe (passei mais de um ano sem conseguir comer estrogonofe novamente).

Vitor, após terminar este curso eu aprendi que o tipo de afogamento que eu sofri foi o mais severo e não tivesse você literalmente iniciado os procedimentos de primeiros socorros, em no máximo 4 minutos, eu entraria em estado de choque e até chegar à um hospital era morte cerebral na certa. Claro que não pude deixar de lembrar de você o tempo todo quando fazia os exercícios (aqueles mesmos que você utilizou em mim) nos manequins adultos e bebês. Só para constar, o Vitor é o namorado gracinha da minha prima que estava em um almoço familiar - ou seja - o meu caso caiu nos 80%


Voltando ao curso, até o desfibrilador (que aqui em Toronto fica nas caixas brancas em eventos e locais com acesso ao público) eu aprendi a acionar em caso de emergência. Se bem que um FIRST AIDER (é isso que eu sou agora) aqui em Toronto nem sempre precisa chegar aos finalmentes dos primeiros scorros dependendo do caso, pois o tempo de resposta dos PARAMEDICS (você que está vindo para Toronto e tem habilidades nesta área, taí uma excelente dica de profissão por aqui muito valorizada e bem paga) é o mais rápido da América do Norte – em 8 minutos eles estão em cena.

Quer entender a importância do FIRST AIDER (que pode ser você) ? Em caso de choque (falta de oxigênio no cérebro por conta de uma batida, ataque, afogamento, etc) 4 minutos é o tempo máximo que alguém sobrevive e os PARAMEDICS chegam em cena em 8 minutos (expecional tempo considerando uma cidade grande como Toronto.) . Agora faça a matemática. Muitas vidas são salvas e o trabalho mais profissional dos paramédicos só pode ser realizado com sucesso porque antes um FIRST AIDER agiu corretamente na cena do acidente.


E aí ? Pronto para obter ao menos o conhecimento e ajudar a aumentar a amostra daqueles que vão conseguir de fato agir em uma emergência? Como diz a abertura do livro teórico do curso – “Melhor saber primeiros socorros e nunca precisar utilizar ao invés de precisar e não saber”.


Eu recomendo muito o curso, além do que você também vai perceber como há muita desinformação e mitos em torno dos primeiros socorros e que muitos deles são universais do tipo : pasta de dente em queimadura (ARGH@) , manteiga e por aí vai... E você, conhece algum absurdo da sabedoria popular quando alguma coisa sai errado?

4 comentários:

Andréa disse...

Paula, depois desse post, acho que vou adicionar esse curso na minha "to do list" quando chegar a Toronto. Com certeza esses cursos de primeiros socorros são importantíssimos. Eu fiz alguns deles pois sempre participei de Brigadas de Incêndio dos prédios onde trabalhei aqui no Rio - o último deles na Torre do Rio-Sul, com 45 andares! Fiz cursos desde Direção Defensiva até CPR (Ressuscitação Cardíaco-Pulmonar) e são todos muito interessantes e válidos. Mas é sempre bom fazer uma reciclagem e aí no Canadá é o que pretendo fazer. Obrigada pela dica!

Bjs!

Anônimo disse...

Paula, um outro mito é o tapa nas costas qdo alguém está engasgado. Pelo que sei isso é errado.
/Fabio.

Isabella disse...

Oi Paula, quando trabalhei em hotéis tive que fazer o curso e mesmo nunca tendo usado as técnicas, sempre achei muito útil saber como agir.

Quando vc diz afogamento vc quer dizer engasgar? De que parte do Brasil vc é?

Jeanne disse...

Quando fui procurar voluntariado com animais me disseram que eu tinha que ter um curso de primeiros socorros...bem, até agora não fiz nenhum.
Meu york vive engasgando com qualquer coisa (enfia tudo na boca) e eu só fico olhando desesperada seu contorcimento e torcendo pra que tudo dê derto e ele consiga voltar a respirar.
Já engasguei algumas vezes com minha própria saliva e acho que fiquei sem conseguir respirar por uns 20 segundos que me pareceram um a eternidade; mas ninguém me deu tapinha nas costas não.
Bjs