16.7.10

Seis meses - os dezoito anos do bebê


Segunda que passou (12 de julho) meu filho completou seis meses de vida e devo confessar que esse negócio de cuidar de uma nova vida 24 horas por dia ininterruptamente, além de ter alguns momentos de tensão e cansaço é claro, nos traz uma nova prespectiva, um novo olhar em relação à tudo que fazemos e vemos. Nos torna seres humanos melhores eu diria. Não na acepção arrogante do termo, mas apenas pelo fato de pararmos nossas corridas vidinhas "ordinárias" pré maternidade-paternidade para apreciarmos a vida em sua plenitude.

Entendam que não é demérito nenhum a vida que eu ou qualquer outro cidadão tinha pré maternidade-paternidade, nem muito menos à opção consciente de não ter ou até mesmo de não poder ter filhos. Trata-se apenas de uma reflexão minha. A minha forma de ver esse momento tão intenso que vivo chamado primeiro ano de maternidade.

Então voltemos à questão filosófica. Essa semana, aos seis meses de idade, o Arthur deixou de ser exclusivamente amamentado para ser iniciado, aos pouquinhos, ao mundo maravilhoso das papinhas. Continua mamando no peito graças a Deus mas essa semana já esta degustando as papinhas de cenoura (imagem) que a mãe toda orgulhosa preparou em casa para ele (Aliás, o baby cubes que aparece na foto é uma excelente aquisição para quem faz as papinhas em casa). Claro que acompanhar todo o desenvolvimento do bebê até agora tem sido o máximo. Entretanto, agora tá ficando bem mais divertido.

Daí pensei: começa a comer de colher, senta sozinho, tá quase engatinhando, ampliou o repertório de emoções e como expressá-las, aumentou o vocabulário no dialeto dos bebês e até pronunciou a primeira palavra (essa semana repetiu a palavra ÁGUA após eu ficar falando feito Teletubies enquanto lavava a mãozinha dele. Não preciso nem dizer que chorei né? Sim, agora eu falo como Teletubies). É a emancipação! Ah, também pode usar protetor solar agora. Nossa quanta independência, daí os 6 meses serem os 18 anos do bebê:) Tudo bem que ele ainda não consegue pedir um carro de presente:) Enfim, vale a analogia.

Meu filho está crescendo e estou amando acompanhar! E fazer papinhas em casa (algo que sempre soube que queria fazer, assim como amamentar o máximo que der) me trouxe de volta à infância quando brincava de casinha e colocava os bolinhos de areia nas panelinhas para as minhas bonecas. A diferença agora é que o boneco é a criatura mais importante da minha vida juntamente com aquele que me deu esse presente, o meu marido é claro! Mas a diversão é a mesma!

Feliz aniversário de dezoito anos, digo seis meses, meu filho!

4 comentários:

lizete disse...

É..minha querida filha, mais uma vez tenho que cumprimenttá-la e, com muito orgulho, pois você se emancipa comoMULHER MÃE( considerando é claro, as suas observações no 3º parágrafo).E, sua analogia , no texto , é perfeita. Nunca havia parado para pensar nisso!Parabéns , queridos papais, pois fico tranquila, sabendo que meu neto, não poderia estar em melhores mãos!Beijos/saudades.

Shirlei Souza disse...

Paula, parabéns pelo filhote e parabéns por nos mostrar que a vida é assim, viver a intensidade cada momento, aproveitando máximo e fazendo o melhor!

Leslie disse...

Querida amiga,
Orgulho imenso de poder fazer parte da vida de vcs e dess pequeno grande Arthur! Parabéns por esses seis meses de aprendizado e parabéns por ser a mãe que vc é! bjs enormes!

Tatiana disse...

Oi Paula, parabéns pelo filhão, com certeza uma nova visão da vida se abriu pra vocês.
Apesar das dificuldades,principalmente por ser mãe morando fora, tuuudo vale a pena, é só ter paciência e saber que tudo é fase!
Bjs...